Senadores e deputados federais vão gastar R$ 20 milhões em “auxílio-mudança”

O “auxílio-mudança” será pago até mesmo a deputados e senadores que não pretendem se mudar. Abate de onça parda no interior do Paraná vai ser investigado. Estado vai fazer pente fino nos salários dos servidores. Confira no Giro de Notícias.

Senadores e deputados federais que vão mudar para Brasília em fevereiro vão gastar R$ 20 milhões com ajuda de custo chamada de “auxílio-mudança”, o valor será pago até mesmo a deputados e senadores que têm casa em Brasília e não pretendem se mudar. Cada um tem direito a receber R$ 33,7 mil, o que equivalente a um salário. Alguns, parlamentares já anunciaram que vão rejeitar o recurso é o caso do senador paranaense Flávio Arns, da Rede, em nota publicada em redes sociais, Arns afirma que os parlamentares devem realizar máximos esforços para a racionalização dos gastos públicos, especialmente com cortes de despesas desnecessárias. Segundo ele a Diretoria-Geral do Senado já foi informada que ele abre mão do subsídio adicional. Outro senador paranaense eleito em outubro, Oriovisto Guimarães, do Podemos também não vai receber o subsídio, pelo menos foi esta a declaração dada por ele durante a diplomação dos eleitos em dezembro.

Abate de onça

Um vídeo divulgado na internet vem chamando atenção. Nas imagens, dois homens exibem a cabeça de uma onça, dentro de uma sacola. O vídeo teria sido gravado em uma fazenda, em Diamante do Sul, oeste do estado. Um dos homens comenta que possivelmente quebrou a espinha do animal que teria tentado atacá-lo. Ao longo do vídeo, os homens mostram a cabeça do animal. Após a repercussão do vídeo, uma equipe do batalhão de Santa Tereza do Oeste foi enviada ao município para verificar as condições da morte do animal. A onça-parda, em risco de extinção, mas é necessário entender as condições em que ela foi abatida e se o homem corria risco de morte ao encontrar com a onça.

Auditoria

O governador Carlos Massa Ratinho Junior determinou a contratação de uma auditoria externa, por meio de pregão eletrônico, para avaliar as folhas de pagamento dos servidores ativos do Poder Executivo e inativos da Paraná previdência, de todos os Poderes. O anúncio foi feito nesta terça-feira, no Palácio Iguaçu, em Curitiba, antes da reunião de trabalho com o secretariado. Com a medida a estimativa é que de que equívocos na folha de pagamento possam gerar economia aos cofres públicos. A medida atinge os 175 mil servidores ativos e 122 mil inativos. A folha de pagamento mensal do Poder Executivo é de 1 bilhão e 200 milhões de reais para ativos e 700 milhões de reais para aposentados e pensionistas. Ratinho Junior espera com a medida identificar equívocos e economizar com gastos desnecessários. A expectativa do governo é de que os trabalhos comecem nos próximos 60 dias e que alguns relatórios sejam entregues ainda no primeiro semestre deste ano, principalmente o de comparação entre a base cadastral da folha da Paraná previdência e o cadastro de óbitos, a análise da frequência dos servidores nas secretarias e o pagamento de horas extras.

Comentários