Paraná quer mais recursos e queda de juros no novo Plano Agrícola

Governo do Paraná propõe aumento na concessão de crédito, redução nas taxas de juros para as principais linhas de financiamento do agronegócio brasileiro e o cumprimento integral de todas as deliberações contidas no plano anual.

A Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento enviou documento ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que propõe aumento na concessão de crédito para o agronegócio, redução nas taxas de juros para as principais linhas de financiamento do agronegócio brasileiro e o cumprimento integral de todas as questões contidas no plano anual. O Plano Agrícola e Pecuário para a safra 2019-2020 começa no mês de junho. Segundo o secretário da Agricultura, Norberto Ortigara, as propostas contidas no Plano Agrícola e Pecuário solicitam mais recursos e juros menores. Conforme determinação do governador Carlos Massa Ratinho Júnior, o documento enviado ao Ministério da Agricultura apresenta sugestões para reduzir a burocracia na concessão de crédito rural, assim como solicita a disponibilidade integral do volume de recursos anunciado. Desde a safra 2017/18, uma série de resoluções do Conselho Monetário Nacional vem reduzindo significativamente a oferta de recursos controlados, via crédito rural. De acordo com o secretário Ortigara, o envio das propostas dos Estados à Secretaria de Política Agrícola do Ministério acontece todo o ano e o Paraná tem como objetivo o fortalecimento do agronegócio como mola propulsora do desenvolvimento econômico em todo o País, como já vem acontecendo. O documento atual propõe uma oferta de 220 bilhões de reais para o crédito rural em todo o País, sendo 170 bilhões de reais para custeio e 50 bilhões de reais para investimentos. Esse valor representa um aumento de 13,2% em relação ao ano passado, quando o governo disponibilizou 194 bilhões e 370 milhões de reais para o agronegócio brasileiro. O documento propõe ainda a redução de meio ponto percentual nas taxas de juros, sendo de 6% para 5,5% aos médios produtores e de 7% para 6,5% para os demais produtores. O secretário esclarece que também foram solicitados recursos para contemplar a agricultura familiar. De acordo com o Departamento de Economia Rural, que pesquisa o Valor Bruto da Produção Agropecuária, que é o faturamento bruto no campo, nos últimos 10 anos teve um crescimento médio de 2,5% ao ano, com crescimento real de 28% no período 2008 a 2017. O Valor Bruto da Produção Agropecuária do Estado passou de 66 bilhões e 400 milhões de reais, em 2008, para 85 bilhões e 300 milhões de reais, em termos reais, em 2017, descontada a inflação no período. Os detalhes da proposta enviada pelo Governo do Paraná ao Ministério da Agricultura constam no site de notícias do Estado, o www.aen.pr.gv.br.

Comentários