Paraná produz um terço da carne de frango do Brasil

A produção total foi de 4,49 milhões de toneladas, 33,4% das 13,7 milhões de toneladas produzidas pelo Brasil em 2020, com mais de 2 milhões de aves abatidas. Além de principal produtor, o Estado é também o que mais exporta carne de frango no País.

Líder nacional na atividade avícola, respondendo por um terço do abate de aves no País no ano passado, a produção de carne de frango no Paraná teve crescimento de 3,9% em 2020 com relação ao ano anterior. O volume total foi de 4,49 milhões de toneladas, 33,4% das 13,7 milhões de toneladas produzidas pelo Brasil em 2020, com mais de 2 milhões de aves abatidas.

Os dados da Estatística da Produção Pecuária, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), também são confirmados pelo Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar), cujas indústrias associadas foram responsáveis pelo abate de 1,95 bilhão de aves no ano passado, 4,5% a mais que em 2019, quando 1,87 bilhão de animais foram abatidos. A entidade representa 45 abatedouros e incubatórios paranaenses.

Mesmo com a pandemia, que exigiu adaptações e investimentos no setor, os produtores comemoram o bom resultado do ano passado. “O setor de alimentos do Brasil provou que é possível se adaptar e manter a produção em condições saudáveis. Sempre tivemos um rigor muito alto com a higienização, antes mesmo do surgimento da pandemia”, explica o presidente do Sindiavipar, Irineo da Costa Rodrigues.

EXPORTAÇÃO - Além de principal produtor, o Paraná é também o Estado que mais exporta carne de frango no País. Responde por 40,9% das exportações brasileiras no setor e vende para cerca de 160 países. É quase o dobro das exportações de Santa Catarina, que fica em segundo lugar, com 21,6% das exportações. Na sequência vem o Rio Grande do Sul, com 16,9%. Juntos, os três estados do Sul concentram 79,4% do frango brasileiro comercializado para outros países.

O frango, segundo principal produto, atrás apenas da soja em grão, e a principal proteína animal exportada pelo Paraná, respondeu, em 2020, por 21,6% de todo o comércio exterior paranaense, com a venda de 1,59 bilhão de toneladas no ano passado. Esse total representou US$ 2,56 bilhões na balança comercial estadual, ou R$ 14,71 bilhões na cotação atual.

O principal destino é a Ásia, sendo que a China compra um quarto da carne de frango do Estado, ou 410,18 milhões de toneladas. Outros importantes mercados são os Emirados Árabes Unidos (117,77 milhões), Japão (114,1 milhões), Arábia Saudita (92,92 milhões) e Coreia do Sul (63 milhões). Os dados foram compilados pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), com base nas informações da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia.

SANIDADE ANIMAL - As recentes mudanças no status sanitário do Paraná vão interferir positivamente em toda a cadeia de carnes paranaense, incluindo a avicultura. Neste mês, o Estado recebeu parecer favorável do comitê técnico da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e deu mais um passo para o reconhecimento internacional como área livre de febre aftosa sem vacinação, além de ser reconhecido como zona livre de peste suína clássica independente.

"Imagino que o Brasil possa saltar de 29 milhões de toneladas de proteínas animais por ano, fora o leite, para 35 milhões de toneladas em 10 anos. Com essa expectativa, o Paraná sairá de 6 milhões para 7 milhões ou 7,5 milhões de toneladas. Estamos crescendo bem em frango, no qual somos campeões, e em suínos, vislumbrando a liderança", avalia o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. "O Estado mostra aos outros países que tem volume, escala e qualidade, dá para comprar e comer sem risco", afirma.

Comentários