Construção hospitalar mais rápida do Brasil é de empresa apoiada pelo Tecnova

Hospital de 1.600 metros quadrados foi construído em 35 dias com uso da tecnologia da Tecverde, apoiada pela Fundação Araucária. É possível montar uma casa em duas horas ou um prédio de até quatro andares em uma semana.

Diante do aumento da demanda por atendimento hospitalar no Brasil por causa da pandemia, os hospitais de campanha foram a alternativa para alguns gestores públicos conseguirem atender a população. A corrida contra o tempo é uma das justificativas de quem faz esta opção.

Com uma tecnologia desenvolvida para a construção civil pela empresa Tecverde, apoiada pela Fundação Araucária, dentro do Programa Tecnova, em apenas 35 dias foi possível construir um hospital de 1.600 metros quadrados em São José dos Campos (SP). A construção do hospital, que é definitiva, exigiu o mesmo tempo de edificação de um hospital de campanha, que é uma obra temporária.

Diferente do hospital de campanha, o Hospital de Retaguarda da Prefeitura de São José dos Campos (SP) é uma obra definitiva. “Com toda certeza é um marco, a obra foi concluída em tempo recorde”, disse Caio Philippe Bonatto, diretor da Tecverde. “É um exemplo de como a tecnologia agrega, e muito, para sociedade e para o País. Um país que não desenvolve e apoia a tecnologia é um país pobre em soluções”, ressaltou.

A empresa de inovação foi criada em 2009 com o objetivo de industrializar a construção civil, com obras mais rápidas e sustentáveis. O desenvolvimento da tecnologia, que tem como base o sistema construtivo Wood Frame, exigiu repensar a concepção do produto, elaborar novas soluções de impermeabilização e segurança contra incêndio, além de um novo processo de montagem para adequar o sistema construtivo.

A tecnologia construtiva da Tecverde permite montar uma casa em duas horas, com quatro pessoas trabalhando no canteiro, ou um prédio de até quatro andares em apenas uma semana. “Conseguimos transformar um produto artesanal em industrializado. Usamos todo o mindset usado na indústria automobilística na indústria da construção, que é orientada para produzir projetos no canteiro”, explica Bonatto.

“A gente conseguiu levar tudo isso para um ambiente de fábrica e criar toda uma engenharia de produto, processo, controle de qualidade, melhoria, inovação, muito similar a da indústria automobilística. Assim, temos aumento de produtividade, com reduções imensas de prazos e de necessidade de mão de obra”, concluiu.

AVANÇO - A parceria com a Fundação Araucária na primeira edição do Tecnova possibilitou o avanço em inovação da Tecverde. “O apoio do programa permitiu a pesquisa, desenvolvimento e homologação de nosso sistema construtivo para edifícios habitacionais multifamiliares de até quatro pavimentos. Com o aumento no nível de maturidade de nossa tecnologia, foi possível aplicá-la em outros usos, como os edifícios hospitalares que desenvolvemos”, destacou Pedro Virmond Moreira, diretor de Engenharia.

Um dos objetivos da empresa quando participou do programa era disponibilizar a tecnologia para construtoras que atuam em programas de habitação de interesse social no Brasil. “A tecnologia é muito versátil, pode ser empregada desde edifícios residenciais e comerciais até para ambientes corporativos e industriais”, contou Moreira.

INSCRIÇÕES ABERTAS - O Programa Tecnova II tem como objetivo constituir uma oportunidade de projetar o setor produtivo estadual no contexto nacional de incentivo à inovação tecnológica, ao identificar novas ideias e estimular novos talentos, muitas vezes anônimos, presentes no âmbito das micro e pequenas empresas paranaenses.

O programa será implantado por meio de uma parceria entre o Governo do Estado, sendo executado pela Fundação Araucária e a Financiadora de Estudos e Projetos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (Finep-MCTI).

O Tecnova II conta ainda com o apoio da Superintendência de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e Superintendência Geral de Inovação (SGI), do Sebrae/PR e do Senai/PR. O recurso total disponível neste edital é de R$ 9,5 milhões. A submissão das propostas segue até 16 de abril de 2021.

Em caráter excepcional, terá como finalidade secundária o apoio a projetos de pesquisa e inovação que visem contribuir no desenvolvimento de novas soluções com foco emergencial no enfrentamento da pandemia da Covid-19, suas consequências e outras síndromes respiratórias agudas graves.

Mais informações: [email protected] / www.fappr.pr.gov.brProgramas Abertos.

Comentários