Homem recebe primeiro transplante de pulmão no Paraná

O procedimento foi feito pelo SUS e aconteceu nesta semana no Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul, e contou com apoio de transporte aéreo. O paciente de 57 anos estava há dois anos na fila de espera pelo órgão.

O primeiro transplante de pulmão realizado no Paraná aconteceu nesta semana no Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba. O Estado é referência em doações de transplantes de órgãos.

“Para nós é um imenso orgulho podermos contar com a generosidade e amor dos paranaenses que continuam doando e fazendo com que o Estado seja referência em salvar e melhorar a qualidade de vida de tantas pessoas”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. O procedimento foi feito pelo SUS.

Reinaldo Ferreira de Goes, 57 anos, estava há dois anos na fila de espera por um pulmão. Esposa e mãe de seus quatro filhos, Valdelice Goes percorreu com o marido cerca de 70 quilômetros, da Lapa até Curitiba, para a cirurgia. “Ele teve um enfisema pulmonar que desencadeou esse quadro mais grave de dificuldade de respirar. Estávamos na fila e colocamos nas mãos de Deus, foi uma surpresa quando nos ligaram”, comentou.

O Paraná ainda não tinha o serviço de transplante de pulmão credenciado. O médico Frederico Barth, responsável técnico do Serviço de Transplante Pulmonar do HAC, explica o processo. “É complexo e tem algumas particularidades fundamentais para a recuperação pós-cirúrgica. Além da compatibilidade sanguínea, os pulmões doados devem estar sem sinais de infecção ou indícios de lesões por trauma, e serem compatíveis em tamanho com o receptor. Esses detalhes são fundamentais, por isso a importância da conscientização e busca no aumento das doações de órgãos”.

Sobre o avanço nesta aérea, Barth explica as medidas que o hospital tomou para concretizar este fato inédito. “Há cerca de dois anos, o hospital teve o credenciamento do Ministério da Saúde para esse tipo de transplante. Desde então passamos por vários processos para que estivéssemos aptos. Isso incluiu o treinamento dos profissionais, capacitações hospitalares, aquisições de materiais específicos e a preparação dos pacientes para a cirurgia”, finalizou.

DADOS - Segundo a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), no ano passado foram 121 transplantes de pulmão no Brasil – 72 de janeiro a setembro deste ano. Apenas três estados estavam aptos para o procedimento (São Paulo, Rio Grande do Sul e Ceará), somando seis equipes atuantes.

Uma série histórica divulgada pela instituição aponta que, em dez anos, o Brasil realizou 856 transplantes deste tipo. Ainda segundo a ABTO, 199 pessoas aguardam na fila de espera por um pulmão no País e oito delas são do Paraná.

TRANSPORTE AÉREO - Para que tudo isso fosse possível, o órgão precisou ser transportado de Foz do Iguaçu até a Curitiba pelo helicóptero do Governo em uma ação integrada da Divisão de Transporte Aéreo da Casa Militar e Grupo de Operações Aéreas da Polícia Civil do Paraná (GOA/PCPR), articulada em apoio ao Sistema Estadual de Transplantes (SET/PR).

A coordenadora do SET/PR, Arlene Terezinha Badoch, explica o motivo da necessidade de apoio aéreo em casos como este. “O tempo de isquemia do pulmão é similar a um transplante cardíaco, de quatro a seis horas no máximo. Por isso a necessidade de transportarmos o órgão imediatamente”.

RECUPERAÇÃO - Segundo informações do Hospital Angelina Caron, o paciente está se recuperando bem após a cirurgia e já respira sem auxílio de equipamentos. Ele permanece em observação na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital.

HISTÓRIA - Fundado em 2000, o Hospital Angelina Caron é um centro médico-hospitalar de referência no Sul do Brasil e um dos maiores parceiros do Sistema Único de Saúde (SUS) no Paraná. Anualmente, faz 2,07 milhões de procedimentos em pacientes de todo o País, 93% pelo SUS.

A instituição atua em todas as vertentes da medicina e é um centro tradicional de fomento ao ensino e à pesquisa. Com o Serviço de Transplantes de Órgãos entre os mais destacados e reconhecido internacionalmente, o HAC foi responsável por 252 transplantes em 2018. Segundo dados do Sistema Estadual de Transplantes, o hospital foi a instituição com mais procedimentos deste tipo no Estado.

Comentários