Saúde alerta sobre circulação do vírus da febre amarela

Boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde confirma mortes de cinco macacos por febre amarela. As novas epizootias aconteceram nos municípios de São João do Triunfo, com quatro casos; e Castro, que apresentou um caso.

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta terça-feira (12) o boletim epidemiológico da febre amarela confirmando 53 mortes de macacos contaminados pelo vírus da doença (epizootias). São cinco mortes a mais que a semana anterior, que totalizava 48, desde o período de monitoramento, de julho de 2019, até o início desta semana.

As novas epizootias confirmadas para febre amarela aconteceram nos municípios de São João do Triunfo, com quatro casos; e Castro, que apresentou um caso. As duas cidades estão na região dos Campos Gerais, área que concentra o maior número de ocorrências.

“É importante ressaltarmos sempre que o macaco não transmite febre amarela. Da mesma forma que o homem, ele é infectado pela picada do mosquito contaminado. Assim, o macaco é um sinalizador da doença; onde há morte de macaco existe a circulação do vírus”, explicou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

O quadro das epizootias por febre amarela no Estado está distribuído desta forma: Castro, com 12 casos; Ponta Grossa, 8; São João do Triunfo, 5; Lapa, 5; Ipiranga, 2; Piraí do Sul, 2; Teixeira Soares, 2; Antonio Olinto, 2; Sapopema, 2; Cândido de Abreu, 2; e Araucária, Balsa Nova, Mandirituba, Piên, Quatro Barras, Rio Negro, Palmeira, Imbituva, Mallet, São Mateus do Sul e Prudentópolis com um caso por município.

Neste período de monitoramento o Paraná não apresenta casos humanos confirmados. Foram 79 notificações: 60 descartadas e 19 em investigação.

VACINA - Segundo o secretário da Saúde, verão é o período de maior ocorrência de doenças transmitidas por mosquitos, como a febre amarela. Mesmo sem casos humanos ele ressalta a necessidade de se receber a dose da vacina contra a febre amarela, que está disponível em toda a rede de saúde. “A vacina é a forma mais eficaz de se proteger contra a doença”, afirmou.

O público-alvo para vacinação da febre amarela é dos nove meses de vida até 59 anos. Desde 2018, todos os municípios do Estado passaram a ser área com recomendação vacinal contra a febre amarela.

A partir de janeiro deste ano, o Ministério da Saúde recomenda reforço vacinal para as crianças aos quatro anos de idade.

Comentários