Projeto desenvolverá ações coletivas com famílias rurais

Essa nova modalidade vai atender prioritariamente grupos familiares e comunitários, incluindo famílias indígenas e quilombolas em situação de vulnerabilidade social.

O projeto Renda Agricultor Familiar, ação do programa Nossa Gente criada em 2015 para ajudar famílias que vivem no campo, já atendeu até o momento mais de 5,6mil famílias de 156 municípios.

Para ampliar a proposta de renda do agricultor, e focar em ações coletivas de grupos familiares e comunitários que incluam famílias indígenas e quilombolas, o Governo do Estado criou a modalidade de Inclusão Produtiva Solidária para complementar e fortalecer o projeto.

Essa nova modalidade vai atender prioritariamente grupos familiares e comunitários, incluindo famílias indígenas e quilombolas em situação de vulnerabilidade social, acolhidas pelo Programa Família Paranaense/Nossa Gente Paraná, com renda per capita de até R$ 178,00 ou que participaram da primeira fase Renda Agricultor e aplicaram satisfatoriamente os recursos. “A ideia é fortalecer e dar continuidade projetos apoiados pela primeira fase do Renda Agricultor, bem como implantar novos projetos que incluam e oportunizem famílias das diversas comunidades do Paraná”, afirmou o secretário estadual da Justiça, Família e Trabalho, Mauro Rockenbach.

O programa também conta com apoio da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento e com o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR) – antigo Iapar e Emater.

MAIS OPORTUNIDADE - As famílias selecionadas serão organizadas em grupos que poderão escolher uma atividade produtiva para investimento, como exemplo hortas, pomares, quintais produtivos comunitários, pequenas criações, pequenas unidades de transformação como panifícios, massas, conservas, compotas, doces, geleias, produtos minimamente processados, salão de beleza, artesanato, costura, prestação de serviços e outros de interesse do grupo.

Também receberão treinamentos do IDR sobre temas relacionados a noções básicas de organização coletiva e empreendedorismo, capacitação na atividade produtiva selecionada, aspectos de mercado e comercialização, gestão do empreendimento coletivo.

Cada família participante do grupo receberá ainda um recurso de R$ 1.000,00 a R$ 4.000,00 para investimento no projeto coletivo (compra de maquinário, compra de insumos, transporte, beneficiamento).

Segundo a coordenadora do programa Nossa Gente da Sejuf, Letícia Reis, os recursos do Renda Agricultor Familiar são financiados pelo BID (Banco Interamericano do Desenvolvimento) e devem ser investidos na geração de renda e na melhoria da qualidade de vida, como pequenas reformas que melhoram o saneamento básico, incentivo à produção para consumo próprio e impulso para o desempenho de atividades agrícolas, como compra de sementes, insumos e equipamentos.

Comentários